Estação de Tratamento de Água atende 16 cidades e produz metade da água da capital

A ETA RD atende as cidades de Ceilândia, Taguatinga, Vicente Pires, Águas Claras, Samambaia, Riacho Fundo e Riacho Fundo II, Recanto das Emas, Gama, Santa Maria, Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia, Sol Nascente/Pôr do Sol e Arniqueiras | Foto: Marco Peixoto/Caesb

A Estação de Tratamento de Água Rio Descoberto (ETA RD) completa 35 anos neste domingo (7). Com uma vazão média, em 2020, de 4.000 litros/segundo, ela atende 16 regiões do Distrito Federal e é a principal unidade de tratamento de água da Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb). A ETA é responsável por 50% da água produzida na capital, o que corresponde ao atendimento de quase 60% da população do DF.

A operação da ETA Rio Descoberto foi iniciada em fevereiro de 1986. À época, tinha capacidade de tratamento de 3.000 litros/segundo com tecnologia de filtração direta. Com o passar do tempo, a capacidade foi aumentando e os processos ficaram mais modernos. Os diversos investimentos e melhorias permitiram a redução das perdas de água de 5% a quase zero.

Atualmente, a ETA RD atende as cidades de Ceilândia, Taguatinga, Vicente Pires, Águas Claras, Samambaia, Riacho Fundo, Riacho Fundo II, Recanto das Emas, Gama, Santa Maria, Núcleo Bandeirante, Park Way, Candangolândia, Sol Nascente/Pôr do Sol e Arniqueiras.

Em 2019, a estação recebeu a visita de quase 1.400 pessoas, entre alunos de escolas públicas e outras instituições. Com a pandemia, as visitas estão suspensas | Foto: Marco Peixoto/Caesb

Segundo o gerente dos Sistemas Produtores de Água Descoberto e Brazlândia, Wellington Ribeiro de Freitas, a partir de 2010, a Companhia intensificou os investimentos na automação das unidades operacionais, incluindo a ETA RD. “Com isso, houve o desenvolvimento de um novo sistema de supervisão e infraestrutura composta por rede de transmissão, equipamentos, instrumentação de processo e nova sala de operação, propiciando, assim, melhoria das condições operacionais da unidade e da estabilidade do processo”, esclarece o gerente.

Por ser grande e por sua arquitetura permitir a visualização da água que chega à estação, a ETA RD recebe um elevado número de visitantes todos os anos. Técnicos de diversos países e outras companhias de saneamento vão à unidade para entender o sistema, considerado uma referência. Em 2019, a estação recebeu a visita de quase 1.400 pessoas, entre alunos de escolas públicas e outras instituições. Com a pandemia, as visitas estão suspensas.

Uma estação feita de histórias

O operador de estação Walterci Antonio Teixeira trabalha na ETA RD desde a inauguração. Quando começou sua trajetória no local, era solteiro, não tinha filhos nem netos. Hoje, com 40 anos de Caesb e família constituída, ele lembra das mudanças durante as décadas de trabalho. “Antigamente, tudo era manual, fazíamos as medições e anotávamos com caneta. Abríamos as comportas de água manualmente. Hoje, tudo é automatizado, a tecnologia ajudou muito!”, vibra o operador. “Já passei muitos natais e viradas de ano na ETA, minha companheira. Já até tomei café com governador”, orgulha-se.

A técnica de saneamento Marli de Fatima Ferreira, que atualmente é supervisora na Coordenadoria de Operação dos Sistemas São Sebastião, Cabeça de Veado e Jardim Botânico, trabalhou na ETA RD durante 15 anos. Em 1989, quando começou na unidade, a automatização ainda não tinha chegado. “Em 1996, tive a oportunidade de acompanhar a obra de ampliação da estação com muitas melhorias, como o aumento do número de filtros, a construção de floculadores, a implantação da automação e a recuperação da água de lavagem dos filtros. Tudo isso trouxe muita experiência para minha vida profissional. Só tenho a agradecer por ter trabalhado com uma equipe tão competente e pelo conhecimento adquirido ao longo dos anos”, conta Marli.

Nosso grande esforço no momento é a alteração do processo principal de tratamento para outro modelo que continue dando tranquilidade e eficiência aos ótimos resultados da unidade. A população do DF merece!José Ricardo Pereira Ramos, coordenador de Operação dos Sistemas Descoberto e Engenho das Lajes

A engenheira química Marcia Morato, atualmente gerente dos Sistemas Produtores de Água Sobradinho e Planaltina, trabalhou na ETA RD entre 1998 e 2015. Inicialmente analista, foi promovida a coordenadora e chegou a gerente da unidade. Marcia ressalta que a ETA RD é a maior estação de tratamento de água do DF, apresentando algumas características diferenciadas, como o armazenamento do cloro em carreta de 18 toneladas, em vez de cilindros de 900 quilos, como em outras estações. Ela conta que a ETA RD foi uma das pioneiras a implantar o sistema de recuperação de água de lavagem. “Esse sistema recupera a água de lavagem dos filtros da estação que, ao invés de ser lançada no meio ambiente, passa por um tratamento de clarificação e volta para a estação para ser usada novamente”, esclarece.

O coordenador de Operação dos Sistemas Descoberto e Engenho das Lajes, José Ricardo Pereira Ramos, descreve os seus 33 anos de história na ETA RD: “Cheguei em novembro de 1988. Tenho, na minha memória, a entrada principal pela BR 070, com a presença densa de eucaliptos na pista principal de acesso. Lembro como as regiões em torno da unidade e do lago Descoberto eram pouco adensadas e as florestas de eucalipto da Flona eram abundantes. Com o adensamento populacional em torno do lago, as mudanças nas características da água foram inevitáveis, exigindo das equipes operacionais criatividade e dedicação. Por isso, o nosso grande esforço no momento é a alteração do processo principal de tratamento para outro modelo que continue dando tranquilidade e eficiência aos ótimos resultados da unidade. A população do DF merece!”, resume o coordenador.

 

Com informações da Caesb