Realizado na quinta-feira (28) pelo Centro de Juventude, encontro on-line reuniu psicólogos e exibiu um curta-metragem premiado

A premiada animação gráfica Vida Maria foi exibida durante o encontro | Foto: Divulgação

“Saúde mental – Por onde começar?” foi o tema de um bate-papo virtual realizado nesta quinta (28) pelo Centro de Juventude (CJ), vinculado à Secretaria de Juventude (Sejuv). Coordenado pela psicóloga Andreia Arruda, o encontro teve como convidado o psicólogo Beto Cruz, especialista em saúde mental e mestre em ciência do comportamento. Também participaram o secretário de Juventude, Kedson Rocha, e o deputado distrital Delmasso, vice-presidente da Câmara Legislativa do DF.

“Falar sobre saúde mental é imprescindível, porque é uma oportunidade gerada para desmistificar preconceitos que foram criados”, destacou o titular da Sejuv. “Nesses 20 anos de trabalho com jovens, pude perceber o quanto a juventude precisa de ajuda para lidar com a sua saúde emocional, e fico muito orgulhoso de estarmos promovendo esse espaço de fala.”

“Falar sobre saúde mental é imprescindível, porque é uma oportunidade gerada para desmistificar preconceitos”Kedson Rocha, secretário de Juventude

Ajuda profissional

Delmasso, parceiro da Sejuv em várias ações, também ressaltou a importância do tema levado ao debate. “São ambientes como esse que podem ser um pontapé inicial na mudança na vida de alguém que esteja precisando de ajuda”, disse. “Eu, por exemplo, em um dado momento muito difícil da minha vida, tive depressão, e a minha visão sobre buscar ajuda profissional era distorcida, mas, diante de toda aquela situação, eu decidi passar por cima do meu preconceito, buscar ajuda profissional e, após todo esse processo, consegui dar a volta por cima”.

Delmasso aproveitou para divulgar o projeto de lei de sua autoria, já aprovado, que criou a Semana de Combate à Síndrome do Pensamento Acelerado (Lei nº 6704/2020). Lembrou que é um dos instrumentos que permite ampliar o espaço de discussão sobre esse tema.

“A saúde mental precisa ser tratada de forma individual”, pontuou Beto Cruz. “Cada pessoa tem uma circunstância social e familiar, e, por trás do seu estado emocional, a tratativa deve ser conforme cada caso, cada particularidade.”

Curta-metragem

Também fez parte do encontro virtual a exibição do curta-metragem Vida Maria, premiada animação gráfica de Márcio Ramos. O filme conta a história de uma menina de 5 anos que se diverte aprendendo a escrever seu nome – Maria José –, mas é obrigada pela mãe a abandonar os estudos para cuidar dos afazeres domésticos e trabalhar na roça.

 Com informações da Sejuv