Em número de 63 mil, pacotes alimentícios adquiridos de produtores rurais serão distribuídos pelo GDF

A Secretaria de Agricultura do Distrito Federal (Seagri) recebeu, nesta quarta-feira (26), as primeiras 1,5 mil cestas verdes do Programa de Aquisição da Produção da Agricultura (Papa-DF).

Material é conferido: 78 toneladas de alimentos distribuídas de terça a sexta-feira | Foto: Divulgação/Seagri

Com o valor total de R$ 2 milhões, foram adquiridas de dez entidades representantes de produtores rurais mais de 63 mil cestas verdes, que serão entregues ao Banco de Alimentos de Brasília, à Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) e ao Programa Mesa Brasil, do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Essas instituições distribuirão as cestas para entidades cadastradas que, por sua vez, vão repassar esses alimentos a famílias em vulnerabilidade social e nutricional. Serão entregues cerca de 6 mil cestas verdes por semana, totalizando 78 toneladas de alimentos distribuídas de terça a sexta-feira.

“É um momento de solidariedade”, destacou o secretário de Agricultura, Candido Teles. “Aqui está a força do governo, que aloca os recursos, e também a força do produtor rural, que produz esses alimentos destinados às famílias carentes. É um programa em que todos ganham, principalmente o homem do campo, que tem certeza de que vai ter a entrega do seu produto e receber os recursos justos”. O titular da Seagri também elogiou a qualidade dos produtos, lembrando que os produtores contam com assistência técnica da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do DF (Emater).

O subsecretário de Políticas Sociais Rurais, Abastecimento e Comercialização da Seagri, João Pires, destacou a abrangência do programa. “O Papa-DF possibilita a execução de verbas do GDF e de emendas parlamentares na compra da produção da agricultura familiar e distribuição direta às entidades filantrópicas”, explicou. “Isso, por sua vez, fortalece a agricultura familiar e atende as entidades com pessoas carentes que necessitam desse aporte na sua alimentação”.

Cada cesta verde é composta por no mínimo oito itens de diferentes grupos (tubérculos, verduras, frutas), com um mínimo de itens para cada grupo. A ideia de divisão em grupos é contemplar o que a agricultura familiar tem para entregar e que, ao mesmo tempo, seja relevante do ponto de vista nutricional.

“Assim, a cooperativa consegue trabalhar com preço e com sazonalidade e oferecer uma cesta que tenha uma variedade de nutrientes e vitaminas chegando às famílias”, detalhou a diretora de Segurança Alimentar e nutricional do Banco de Alimentos, Lidiane Pires. “Fazendo essa separação por grupos, a gente tem um produto de maior qualidade nutricional e consegue contemplar várias cadeias produtivas. É uma cesta de grande valor nutricional.”

Com informações da Secretaria de Agricultura