Apoios para as vigas e lajes da passagem estão sendo montados. Obra que custa R$ 275,7 mi, gera 1,7 mil empregos e avança. Confira o vídeo

As estruturas metálicas, que servem de apoio para as vigas e lajes do Túnel de Taguatinga, estão sendo montadas. As escoras – chamadas de cimbramento e que sustentam o peso do concreto, a movimentação de operários e os equipamentos – são provisórias e representam mais uma etapa da obra, que custa R$ 275,7 milhões e gera 1,7 mil empregos. Os serviços, que estão 40% executados, vão beneficiar 137 mil motoristas, desafogando o trânsito da região.

Após a construção das vigas e das lajes, estrutura de apoio será retirada e começará a escavação do túnel | Foto: Paulo H. Carvalho/Agência Brasília

Segundo um dos engenheiros responsáveis pela obra, Bruno Almeida, a nova fase deve durar de sete a oito meses. “É uma etapa extremamente importante para o andamento da obra. As estruturas metálicas são fundamentais para a construção das vigas e lajes do túnel”, ressalta. “Primeiro estamos fazendo o rebaixamento de dois a três metros. Depois, vamos colocar o rachão [espécie de concreto] e o cimbramento”, explica.

Após a construção das vigas e lajes, a estrutura é retirada e os operários começam a escavação do túnel. “Depois iniciamos os trabalhos para a construção e a concretagem da laje de fundo e a pavimentação para que a estrutura seja liberada e a gente finalize a execução da obra”, informa o engenheiro Bruno Almeida.

De acordo com o secretário de Obras e Infraestrutura, Luciano Carvalho, o cronograma segue como planejado. “Desde o início da obra temos atuado diuturnamente para garantir que todos os serviços estejam dentro do prazo previsto. Estamos concluindo a escavação e concretagem das lamelas e, paralelamente, executando outros serviços”, reforça.

Confira a obra do Túnel de Taguatinga no vídeo:

Obra

Com previsão de entrega para 2022, a passagem subterrânea fará uma ligação para motoristas que trafegam no sentido Ceilândia, pela Avenida Elmo Serejo, além de oferecer uma via alternativa pela superfície para o centro de Taguatinga. Isso evitará a retenção de veículos nos semáforos do centro da cidade.

“É o preço do progresso”, pondera o morador de Taguatinga Carlos Alberto Pires ao se referir ao transtorno da obra

Com a conclusão da obra, os carros que estiverem na Avenida Elmo Serejo, sentido Plano Piloto, vão entrar pelo túnel e sair na Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Do outro lado, aqueles que chegarem a Taguatinga pela EPTG também passarão pelo túnel até o início da Via Estádio, saindo logo após o viaduto da Avenida Samdu. Vias marginais darão acesso às avenidas Comercial Sul e Norte e Samdu Sul e Norte. A passagem subterrânea terá 1.010 metros de extensão e vai contar com duas vias paralelas, cada uma com três pistas de rolagem em cada sentido.

Para Carlos Alberto Pires, 63 anos, toda obra acaba causando um pouco de transtorno, mas que é necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas. “É o preço do progresso. O que a gente espera é que quando os serviços forem finalizados, a gente seja beneficiado”, comenta. “A gente que mora em Taguatinga sempre teve muita dificuldade com relação ao trânsito nesta região”, lembra.

As melhorias não se restringem às questões de trânsito e mobilidade. A movimentada Avenida Central de Taguatinga se transformará em um boulevard arborizado, com uma paisagem inteiramente nova para a população. Ela terá foco nas pessoas e no comércio da região. Além do paisagismo, as calçadas serão revitalizadas e os estacionamentos ampliados.

 

GALERIA DE FOTOS