Dados são registrados em pesquisa elaborada pela equipe do Jardim Botânico de Brasília, com foco no Herbário Ezechias Paulo Heringer

O Herbário Ezechias Paulo Heringer, do Jardim Botânico de Brasília (JBB), conta com a quarta coleção brasileira mais representativa do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Assim aponta o Inventário Florístico em Área de Amortecimento do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, estudo segundo o qual, entre 2019 e 2020, as equipes do JBB foram responsáveis por 85% dos quase 1,5 mil espécimes coletados na área do parque e suas adjacências.

Coleção do herbário se destaca pela grande variedade | Fotos: Divulgação/JBB

Durante as expedições, foram coletados espécimes de 99 famílias botânicas, sendo que as 16 mais representativas –  Fabaceae, Asteraceae, Myrtaceae, Euphorbiaceae, Rubiaceae, Poaceae, Malpighiaceae, Malvaceae, Apocynaceae, Lamiaceae, Melastomataceae, Lythraceae, Convolvulaceae, Acanthaceae, Cyperaceae e Vochysiaceae) englobam 66,3% de todo o material. Nessa área foram coletadas muitas espécies raras, endêmicas e ameaçadas de extinção, além de uma espécie nova já descrita e uma que, atualmente, se encontra em investigação por especialista.

A área amostrada pertence a uma fazenda particular conservada há 30 anos por iniciativa do proprietário. O inventário florístico foi realizado mensalmente durante 11 meses ininterruptos até o advento da pandemia, que obrigou a suspensão das expedições de campo.

A pesquisa foi feita em cerca de 300 hectares e apresenta diversas fitofisionomias, nomeadas por grupos. Oréades representa o chamado cerrado sensu strictu (em sentido específico); Náiades, a floresta de galeria; Hamadríades, o campo rupestre, e Dríades, o campo limpo. Os dados preliminares apresentados foram extraídos do número de espécimes coletados.

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros é uma das unidades de conservação mais visitadas de Goiás por suas. Criado em 1961 e ampliado em 2017, conta atualmente com 240 mil hectares delimitados por cinco municípios da região. O objetivo desse levantamento  no local foi evidenciar a importância de áreas preservadas na zona de amortecimento de unidades de conservação para a manutenção da biodiversidade destas.

Para a diretora executiva do JBB, Aline De Pieri, a pesquisa realizada é fundamental para a conservação do cerrado, bioma que vem sofrendo destruição de toda a vegetação nativa. “Esse projeto se propõe a provar que áreas fora da unidade de conservação são importantes para manter a biodiversidade e a sanidade ambiental local, o que fica evidenciado pelos resultados robustos de flora e fauna coletados na área”, aponta.

Com informações do Jardim Botânico de Brasília